Rhede Sistemas

Seja um Canal Rhede Sistemas

6 táticas infalíveis para otimizar o processo de logística da empresa

Muito mais que um setor puramente operacional, a cadeia de suprimentos tem ganhado mais atenção dos gestores nos últimos anos devido ao seu valor estratégico. Nesse sentido, o interesse pelo processo de logística aumentou — uma vez que empresas perceberam que, ao otimizá-lo, os impactos na eficiência, lucratividade e redução de custos no negócio são significativos.

Aprimorar as etapas logísticas significa, entre outras coisas, ter procedimentos mais enxutos, inteligentes e econômicos, cumprir prazos, controlar melhor a entrada e saída de materiais e entregar mais valor para o cliente.

Como é possível perceber, uma empresa ter muito a ganhar quando adota um olhar mais tático para seu setor de distribuição. Ela tem a oportunidade de tornar seus serviços mais competitivos e se destacar no mercado.

Mas, afinal, como atingir a alta performance logística? Continue lendo este post e confira seis ideias para colocar em prática agora mesmo!

1. Planeje detalhadamente

O caminho para o aperfeiçoamento de um processo de logística é uma rota que precisa ser traçada com atenção e inteligência. Afinal, se uma empresa deseja atingir um determinado resultado, precisa de um itinerário e um destino bem definido para chegar até lá.

Nesse sentido, o planejamento estratégico é uma ferramenta essencial. Basicamente, ele é composto por três elementos fundamentais:

  • objetivos, ou seja, tudo o que uma instituição pretende alcançar como, por exemplo, a redução de custos operacionais;

  • metas, uma definição mais específica — com prazos e números — que conduz a um objetivo global. Seguindo o exemplo, minimizar gastos com transporte em 30% em 1 ano;

  • ações, o conjunto de práticas que serão implementadas para garantir o alcance de metas, como adotar veículos modernos que consumam menos combustível.

Os gestores precisam dedicar tempo para traçar um plano bem minucioso, já que é ele que vai nortear todas as tomadas de decisão. Entretanto, para que o planejamento tenha sucesso, é necessário:

  • ficar atento às variáveis — como preços, demanda e mercado — que possam mudar com o tempo;

  • revisar o plano constantemente e fazer ajustes no que não faz mais sentido ou não está dando certo;

  • definir metas realistas.

2. Mapeie cada processo de logística

Assim como o planejamento estratégico, o mapeamento de processos é igualmente importante. Saber o que acontece em cada etapa é crucial para apontar erros, gargalos e desperdícios, ou seja, oportunidades de melhora.

Sem essa diagramação, fica mais difícil entender o que atrapalha o desempenho da empresa e o que de fato precisa ser aprimorado nos estágios da cadeia. Esse mapeamento nada mais é que uma análise completa dos processos e tudo o que está envolvido em cada um deles — pessoas, equipamentos, parceiros, materiais, clientes e recursos financeiros, por exemplo.

A partir desse diagnóstico, é preciso elaborar um fluxograma com todos os passos e perceber visualmente como potencializar cada etapa.

3. Firme boas parcerias

Na logística, os fornecedores têm um papel determinante. Empresas que operam com a produção ou distribuição de mercadorias sabem o quanto suas operações dependem de uma boa relação com essas fontes de suprimento. No fim das contas, as falhas deles atrapalham as atividades da empresa.

Logo, pesquise bem o mercado e selecione esses contatos com muito critério. Uma vez que você encontrar prestadores de serviço confiáveis e de qualidade, firme uma parceria e cuide do relacionamento com eles.

O ideal é estabelecer um laço no qual ambos se beneficiem, assim as negociações são facilitadas e a empresa assegura melhores preços, condições de pagamento e produtos. Da mesma forma, é preciso garantir que as ideias e objetivos da parceria estejam bem alinhados para evitar problemas e erros.

4. Conte com a tecnologia

A tecnologia aplicada ao processo de logística já não se trata mais de um diferencial, mas sim de uma exigência do mercado. Empresas do segmento que não acompanham as mudanças e inovações são consideradas obsoletas e, consequentemente, correm o risco de perder a preferência dos clientes, além da relevância no mercado.

Tecnologias como a Inteligência de Dados (Big Data), Internet das Coisas (IoT) e softwares de gestão têm o poder de maximizar as operações logísticas e as tornar mais transparentes e eficazes. Uma empresa que tem como plano se adaptar a essa nova realidade deve começar com a adoção de um sistema de gestão.

Esse tipo de programa coordena todos os procedimentos logísticos e contribui tanto para a fluidez quanto para o dinamismo da cadeia. No entanto, um dos maiores ganhos de um software é a automação de processos — ou seja, ele possibilita a execução de tarefas digitalmente e em poucos cliques.

Isso representa ganho de tempo, de produtividade e de segurança, uma vez que procedimentos feitos manualmente apresentam maior índice de erros. Desse jeito, a cadeia de suprimentos fica ainda mais estratégica e com alto valor agregado.

Entre todos os programas que podem ser incorporados por empresas, o ERP (Enterprise Resource Planning) é um software básico e essencial.

Conhecido em português como Sistema de Gestão Empresarial, ele é uma solução completa que integra todos os setores e informações do negócio. Com ele, o gestor tem uma visão ampla das suas operações e pode tomar decisões mais seguras e embasadas.

5. Integre todos os setores da sua empresa

A integração de setores, facilitada pela tecnologia, é indispensável para o bom funcionamento da logística empresarial. Afinal, os processos estão organizados em uma cadeia e não atuam separadamente.

Quando uma etapa não é otimizada, as outras sofrem e não apresentam os resultados esperados. Em resumo, quando as diferentes partes da empresa não trabalham em sinergia, todo o seu potencial produtivo é limitado.

O ERP é o software perfeito para alcançar esse fim, já que seu grande trunfo é conseguir centralizar, em uma só ferramenta, tudo o que o gestor precisa para controlar seu negócio e torná-lo ainda mais estruturado e competitivo.

O sistema é capaz de administrar, por exemplo, os níveis e fluxo do estoque e alinhar dados coletados desse departamento com os setores financeiro, de compras e vendas. Assim, a empresa sabe exatamente de quanto precisa para suprir sua demanda e qual é o melhor momento para programar uma reposição.

6. Acompanhe indicadores de desempenho

Indicadores de performance (KPIs) são elementos primordiais em um projeto de implementação de melhorias. Eles são índices que medem os resultados das iniciativas adotadas por uma empresa em um período específico. Eles também são comumente utilizados para identificar problemas e suas causas.

Com eles, você consegue verificar se as ações e metas traçadas previamente no planejamento estratégico estão sendo efetivas. O acompanhamento de KPIs fortalece o processo de decisão, que passa a ser mais confiável e fundamentado.

Alguns KPIs muito utilizados na logística são:

  • tempo de aprovisionamento (lead time);

  • giro do estoque;

  • produtividade do fornecedor;

  • custo médio do frete;

  • índice de atraso nas entregas.

Ao seguir essas dicas, você conseguirá otimizar seu processo de logística e intensificar seu desempenho. Com a ajuda de tecnologia e boas práticas, você estabelece uma gestão mais dinâmica e moderna que fará toda a diferença nos seus resultados e na satisfação do seu cliente.

E aí, gostou do post? Está pensando em adotar uma solução para revolucionar seu negócio? Então entre em contato conosco e conheça nossos serviços agora mesmo.